Tipos de iluminação: 3 dicas para escolher a ideal

4 minutos para ler

Não são todos que percebem o poder dos tipos de iluminação para mudar um ambiente. De quente e aconchegante para moderno e profissional apenas alterando a distribuição, intensidade e cor das luzes. 

Que tal fazer isso no seu lar e aproveitar melhor os espaços? Então, aproveite as 3 dicas que vamos abordar neste artigo e muito mais!

Quais são os principais tipos de iluminação?

Antes de mais nada, é preciso entender quais são os tipos de iluminação para saber quando usar cada um. Confira os principais a seguir!

Direta

Como o nome indica, a luz incide diretamente, favorecendo a realização de atividades de precisão que dependem de claridade para isso. Assim, a vantagem da iluminação direta é a funcionalidade que agrega.

Indireta

Servindo majoritariamente como apoio, as luzes indiretas ajudam a criar um clima de aconchego e de intimidade, bem como, ampliam a luminosidade dos espaços sem que o excesso dela torne-os desconfortáveis.

Difusa

A iluminação difusa é muito suave. Pois, não gera contrastes ou sombras. Esse efeito é obtido com o uso de filtros sobre as lâmpadas. Vidros e acrílicos leitosos são as opções mais comuns aplicadas para alcançar tal resultado.

Linear

A iluminação linear garante modernidade aos cômodos em que é aplicada. Trata-se de um projeto luminotécnico que utiliza linhas retas e contínuas para distribuir a claridade nos espaços, principalmente os funcionais.

Como escolher o tipo de iluminação adequado para cada ambiente?

Na hora de escolher o tipo de iluminação deve ser pensado em para cada ambiente, estética e função. Veja 3 dicas para colocar isso em prática!

1. Comece pela funcionalidade

Ao analisar a funcionalidade dos ambientes você coloca a iluminação tanto a serviço da decoração como da utilidade de cada espaço. Com base na função é possível definir muitos dos aspectos do projeto como cor, intensidade e distribuição das luzes.

2. Pense na sensação que deseja transmitir

As luzes têm a capacidade de transmitir sensações. Mais que isso, elas servem para dar o tom do ambiente — profissional, relaxante, romântico ou seguro — e, ainda, complementar móveis ou objetos para indicar um estilo de decoração. Portanto, estabelecer o que se quer transmitir é uma dica valiosa para não errar.

3. Não fique preso a um único tipo de iluminação

Usar mais de um tipo de iluminação torna o espaço multiuso e assegura que todos os cantos recebam luz. Um artifício útil é combinar uma fonte central de luz direta com luminárias, abajures e, até mesmo, fitas de LED secundárias. De forma indireta ou difusa elas valorizam móveis, revestimentos ou objetos de arte e decoração.

Por que é importante fazer uma boa escolha?

Planejar a iluminação ideal para cada cômodo de sua casa ou apartamento é uma atividade fundamental, uma vez que traz tanto benefícios como evita desvantagens. Alguns exemplos disso são:

  • otimizar os espaços, aumentando os possíveis usos para eles e garantindo seu pleno aproveitamento;
  • mudar a concepção dos ambientes e as sensações que transmitem para os moradores;
  • favorecer a utilização de soluções sustentáveis e de bioarquitetura;
  • oportunizar a economia de energia e a diminuição de custos com reformas para adaptações posteriores.

Como são muitos os tipos de iluminação disponíveis, nem sempre é fácil fazer uma boa escolha. Porém, nossas dicas aliam funcionalidade com beleza para que você só obtenha vantagens e usufrua da melhor forma dos espaços do seu lar.

Como você já está por aqui, que tal comentar este artigo e contar uma situação em que a iluminação fez toda a diferença na decoração? Queremos saber!

Você também pode gostar

Deixe um comentário