Taxa Selic: descubra como ela movimenta o mercado imobiliário

Taxa selic
6 minutos para ler

Mesmo que não tenha interesse algum por assuntos financeiros e não entenda nada sobre economia, provavelmente, em algum momento da sua vida, você já ouviu falar em taxa Selic, não é mesmo?

Contudo, apesar de o termo ser bastante familiar para grande parte dos brasileiros, poucas são as pessoas que sabem o que ele realmente significa, muito menos como impacta na hora de comprar ou vender um imóvel.

Se você também faz parte desse rol de pessoas, fique tranquilo! Elaboramos este artigo para esclarecer as principais dúvidas sobre taxa Selic e a influência dela no mercado imobiliário e em outros investimentos.

Vamos lá?

O desconhecimento dos brasileiros sobre o assunto

Um estudo feito pelo InfoMoney, portal especializado em investimentos, afirmou que 99,4% dos brasileiros não sabem como são feitos os cálculos de juros simples e juros compostos, conhecimento essencial para entender o funcionamento da taxa básica de juros da economia, a taxa Selic.

Assim, certamente, são pouquíssimas as pessoas que têm algum conhecimento sobre a interferência da taxa Selic no mercado imobiliário. Se você faz parte desse grupo, fique tranquilo, porque explicaremos, a seguir, por que o comprador e o vendedor de imóveis devem ficar atentos à taxa Selic. Acompanhe!

O significado da taxa Selic

A taxa Selic refere-se à taxa de juros que é apurada no decorrer das operações de empréstimos entre os bancos que acontecem diariamente.

O Banco Central utiliza a taxa Selic como um dos principais instrumentos para fazer o controle da inflação no nosso país. Essa taxa é tão relevante que tem o poder de influenciar as demais taxas de juros do Brasil, como as taxas de aplicações, financiamentos, empréstimos etc.

Funciona mais ou menos assim: o Banco Central, para fazer com que a taxa Selic fique nivelada à taxa definida durante a reunião do Comitê de Política Monetária, atua no âmbito de títulos públicos de modo a controlar a inflação.

Origem da taxa Selic

O Sistema Especial de Liquidação e Custódia, também conhecido como taxa Selic, foi desenvolvido em 1979 com o objetivo de proteger e clarificar o processo de compra de títulos públicos.

Os títulos públicos constituem-se em diversos ativos (créditos, bens, valores direitos etc.) que o governo federal comercializa com o objetivo de obter o financiamento da dívida pública. Assim, as organizações que adquirem esses títulos emprestam um determinado valor ao governo, recebendo, em troca, todos os lucros dessa aplicação.

Além disso, como dito acima, existem as operações de empréstimos entre os bancos que acontecem diariamente.  Nessas operações, as instituições dão como garantia os títulos públicos que foram adquiridos do governo.

Obviamente, o banco que recebeu o empréstimo deve pagar juros ao outro que emprestou a quantia. É nesse cenário que entra a taxa Selic, já que é ela que define a taxa de juros desses empréstimos. O Comitê de Política Monetária, então, estabelece (e não impõe) uma meta para a Selic.

Agora que o conceito de taxa Selic ficou um pouco mais claro, vamos ver como ela impacta no mercado de imóveis.

A taxa Selic e o mercado de imobiliário

Como mencionado, a taxa Selic influencia diretamente na economia brasileira, auxiliando no controle da inflação e nas operações de compra e venda de ativos financeiros. Por conseguinte, a taxa também tem um grande impacto no financiamento de imóveis, uma vez que as instituições financeiras levam a Taxa Selic em consideração ao fazerem o cálculo dos juros a serem cobrados do comprador no decorrer das parcelas.

Se a taxa Selic aumenta, os juros dos financiamentos também aumentam. Esse, inclusive, é um dos principais motivos que fazem o comprador desistir de financiar uma casa ou apartamento e adiar o sonho da casa própria.

No entanto, quando acontece o contrário e a taxa Selic estiver reduzida, os financiamentos se tornam muito mais atrativos, uma vez que os bancos também reduzirão suas próprias taxas de juros, o que aumenta a possibilidade dos financiamentos de imóveis se concretizarem.

Em verdade, quando o índice da Selic é reduzido pelo Banco Central, toda a economia brasileira é impactada, incluindo as operações de compra e venda de imóveis, que, além do incentivo ao financiamento, também valoriza o mercado imobiliário como um todo.

Compras de imóveis à vista

Se você chegou até aqui, deve ter concluído que a taxa Selic não traz benefícios nenhum quando está elevada. Mas é aí que muitos se enganam! Quando a taxa básica de juros da economia fica em alta, as condições para a compra de imóveis à vista são melhores.

“Como assim?”, você deve estar se perguntando. A resposta é simples: com a taxa elevada, a quantidade de financiamentos será menor, fazendo com que os vendedores diminuam o preço dos imóveis à vista de modo a alavancar as vendas.

Assim, o comprador que não deseja fazer financiamento pode encontrar imóveis com valores abaixo da média. Além disso, para conseguir abaixar ainda mais o preço, um bom argumento seria justamente a alta da taxa Selic para fechar um bom negócio.

A taxa Selic hoje

No começo do mês de agosto de 2020, a taxa SELIC caiu a 2%, significando o nono recorde de redução seguido na taxa básica de juros. O Banco Central tomou essa decisão para dar uma aquecida na economia, que recebeu um “balde de água fria” devido à pandemia de covid-19.

Isso quer dizer que esse é o cenário ideal para quem quer fazer financiamento de imóvel e realizar o desejo de ter uma casa ou apartamento do jeitinho que sempre sonhou.

Dica extra: por mais que seja o momento mais propício para financiar imóvel, recomenda-se pesquisar bastante todas as opções de financiamento e optar por aquela que melhor atenderá às suas necessidades.

Como visto, compreender o funcionamento da taxa Selic é de suma importância para quem está negociando a compra ou venda de um imóvel, seja financiado, seja à vista. Afinal, ter esse conhecimento pode ser uma verdadeira carta na manga para negociar valores mais acessíveis e condições de pagamento com melhor relação de custo-benefício.

E então, gostou do artigo? Aproveite a visita e veja dicas valiosíssimas de como comprar seu primeiro imóvel!

Você também pode gostar

Deixe um comentário